Prefeitura de Quiterianópolis pára por falta de estrutura


O prefeito de Quiterianópolis, José Barreto, decretou estado de emergência no município e a Prefeitura está funcionando apenas para atendimentos internos. De acordo com o gestor municipal, a medida foi tomada devido à inviabilidade administrativa deixada pela gestão anterior.


“A Prefeitura vai continuar funcionando internamente. Vamos fazer um levantamento de todos os débitos, ver as medidas para pagar todas as dívidas e saber para onde foi o dinheiro e os bens públicos do município”, disse José Barreto.


Entre os principais problemas ele destaca a falta de profissionais da Saúde, insuficiência de material hospitalar, ausência de mobílias nas secretarias e sucateamento dos veículos da Prefeitura. Houve retirada de móveis e equipamento de informática de prédios públicos e muitos documentos foram encontrados destruídos por cupins. Quase todos os veículos da Prefeitura foram encontrados sem condições mecânicas para funcionar e com documentos (IPVA/licenciamentos) atrasados.


Além disso, o pagamento de todos servidores concursados, aposentados e pensionistas, referente ao mês de dezembro de 2012, não foi feito, representando uma dívida superior a R$ 800 mil. Segundo o prefeito, a gestão anterior também não repassou um incentivo mensal de mais de R$ 42 mil, que é enviado pelo Governo Federal para os Agentes Comunitários de Saúde, e ainda deixou dívidas referentes à energia elétrica, contas telefônicas e Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS).


Conforme o gestor, em função destas dilapidações acometidas pelo ex-prefeito o município está inclusive inadimplente com o governo federal. “Já começamos com uma gestão inviabilizada, não se tem hoje no município, um carro sequer para atender à demanda de solicitações que são feitas pela comunidade. A ambulância da Prefeitura para fazer viagem era alocada; os telefones da Prefeitura Municipal foram cortados por falta de pagamento”, destacou.


DECRETO

O prefeito José Barreto Couto Neto enfatizou que o decreto que foi baixado, tornando o município em Estado de Emergência, ocorreu   devido ter encontrado um caos administrativo.


Não temos carros, computadores, internet, mobília, e necessitamos para tudo isto, fazermos licitações e resolvermos como solucionar o problema de transporte, que não temos. “Não sabemos quantos funcionários concursados a Prefeitura tem, não se tem folha de pagamento dos últimos meses e todas as informações que solicitamos ao ex-prefeito pedindo sobre as condições da Prefeitura Municipal, não recebemos qualquer informação”, desabafa o prefeito.

Fonte: O Estado

Assessoria de Comunicação – FETAMCE


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO