Fetamce repudia novo caso de feminicídio na cidade do Crato

A vítima e o assassino em foto do portal Miséria.

A Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal no Estado do Ceará (Fetamce), por meio de nota, expressa pesar e repúdio diante do caso de feminicídio ocorrido na noite deste domingo (19/08), na Praça da Sé de Crato/CE.

A professora Silvany Sousa foi assassinada com tiros à queima-roupa pelo ex-marido, Elson Siebra de Deus. O caso ocorreu em praça pública. Testemunhas contam que o casal conversava no banco da praça, junto deles estava o filho, que presenciou o crime. Após atirar, Elson pegou a criança e entrou na sua casa, localizada ao lado de uma pizzaria, em frente ao local do crime.

Familiares informam que apesar de já ter solicitado medida protetiva contra o ex companheiro, ela precisou ir ao encontro dele para buscar o filho, já que não havia outro jeito, segundo pessoas próximas à vítima.

A Polícia confirma que o crime tem todas as características de passional. A escola onde a vítima trabalhava lecionando no Ensino Fundamental I lançou uma nota de pesar cerca de uma hora após o crime e comunicou que não haverá aula na segunda-feira, 20.

Diante do caso, um ato em defesa da mulher e contra o feminicídio acontece às 18 horas desta segunda-feira (20/08), na Praça da Sé, no Crato.

O feminicídio de Silvany é o 9º caso da cidade de Crato, só neste ano. Foram 337 mulheres mortas em 2017. Em 2018, ano em que a Lei Maria da Penha completa 12 anos, o Ceará registrou 219 assassinatos.

A Fetamce reitera que entende a necessidade de políticas mais efetivas de combate à violência contra a mulher. Neste ano eleitoral, é necessário cobrar da classe politica responsabilidade com a questão e ao mesmo tempo rejeitar qualquer projeto político e candidatos que ataquem os direitos das mulheres.

DEIXE UM COMENTÁRIO