Em Tianguá, Regional Ibiapaba debate desafios da Campanha Salarial 2020

A Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce) realizou na manhã da última terça-feira, 21 de janeiro, o terceiro seminário regional de organização sindical deste ano. O evento, realizado em Tianguá, reuniu sindicatos da Regional Serra da Ibiapaba.

Mais uma vez, representantes das organizações filiadas à Federação debateram os desafios da conjuntura e da Campanha Salarial 2020, que carrega o slogan: A Esperança Tá na Rua – É tempo de derrotar o neoliberalismo e defender o serviço público.

Estiveram presentes representantes de onze cidades, sendo elas: Tianguá, Frecheirinha, Mucambo, Guaraciaba do Norte, Croatá, São Benedito, Ubajara, Carnaubal, Pacujá, Graça e Viçosa do Ceará.

A série de obstáculos que tem sido imposta às entidades sindicais pode levar, a médio prazo, à transição para uma nova fase dessa trajetória. É o que analisa Enedina Soares, presidente da Fetamce.

Para ela, há “três núcleos negativos” que atuam pressionando o sindicalismo: “A recessão econômica”, a “destruição da legislação trabalhista” e o “bolsonarismo e suas medidas”.

Rosilene Cruz, técnica do Dieese, concorda que a nova conjuntura, marcada pelo fim dos empregos tradicionais e a perseguição ao serviço púbico, dificulta a capacidade dos sindicatos de mobilizar suar bases para processos de enfrentamento em prol da ampliação ou manutenção de direitos.

“Jair Bolsonaro, por meio de Medidas Provisórias (MPs), tem intensificado os ataques, tentando inviabilizar a própria sustentabilidade financeira das entidades”, relata Cruz.

Para Enedina, o “antídoto para as agressões atuais e futuras” é tornar cada vez mais a presença dos sindicatos um elemento palpável no cotidiano dos trabalhadores. “O movimento sindical precisa ir ao local de trabalho, ter presença efetiva no dia a dia das pessoas. Reorganizar, sindicalizar ao máximo e extrapolar a questão corporativa das categorias. Se não rumarmos para isso, não vamos representar mais ninguém. Nós precisamos ter capacidade para falar com a nova realidade, com um novo perfil de trabalhadores”, avalia a dirigente.

Galeria de imagens do evento:

DEIXE UM COMENTÁRIO