CUT denuncia terceirização no Brasil em conferência da OIT na Suíça


A servidora municipal cearense, Graça Costa, que é Secretária de Relações do Trabalho da Central Única dos Trabalhadores (CUT), integra a delegação da central que esteve em Genebra, na Suíça, para participar da 104ª reunião anual da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que começou na última segunda-feira (1º) e segue até o dia 13 junho.


Durante o evento, a CUT denunciou a tentativa de se aprovar a institucionalização da terceirização geral no Brasil. Graça Costa afirmou que o momento serviu para o mundo perceber que no Brasil a terceirização não tem acordo com os(as) trabalhadores(as), diferente do que vendem os empresários.


A dirigente alerta que “liberar a terceirização das atividades-fim vai na contramão das conquistas sociais dos últimos anos”, frisou.


A secretária de relações do trabalho entende que neste momento brasileiro de criação de empregos, de várias políticas sociais, não cabe uma lei que venha “precarizar” de forma absoluta todo o mercado de trabalho. “De cada 10 trabalhadores(as) que adoecem, 8 são terceirizados(as); 4 de cada cinco mortes registradas em serviço também ocorrem com trabalhadores(as) nessa situação. Não vou nem falar da carga horária e dos salários menores que é um absurdo”, disse Graça. 


Participaram do evento 185 estados-membros da OIT que debateram a situação dos trabalhadores nos territórios árabes ocupados; o direito de associação na agricultura e a convenção das organizações dos trabalhadores rurais; pequenas e médias empresas e criação de emprego decente e produtivo; a transição da economia informal à economia formal, entre outros temas.


Outra entidade também marcaram presença, como a Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Ministério Público do Trabalho, Central dos Trabalhadores no Brasil (CTB), Nova Central Sindical, CFDT França e Internacional de Serviços Públicos (ISP).


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO