CUT-CE convoca todos(as) para o Dia Nacional de Mobilização, quarta-feira

Maior central sindical do Brasil, da América Latina e quinta maior do mundo, a CUT mais uma vez sai na frente, honrando a sua história de tradição, de luta, de organização e de mobilização em defesa da classe trabalhadora brasileira. A data escolhida foi 6 de julho. Nesse dia várias atividades farão o diálogo com a sociedade. Todos devem usar camisas vermelhas e levar suas bandeiras. À frente das atividades locais está a CUT/Ceará e entidades filiadas.


A CUT/Ceará convida todos(as) para as atividades do Dia Nacional de Mobilização, neste 6 de julho. As atividades começaram às 07 horas – Ato no Pecém, concentração, a partir das 05 h, na Igreja Matriz de Caucaia e às 15 horas – Ato na Reitoria da UFC

Lutamos por:


– Redução da Jornada de Trabalho sem Redução de Salários;


– Combate à precarização e à terceirização;


– Liberdade e autonomia sindical.


Desde maio, representantes da CUT vêm se reunindo com os companheiros do MST (Movimento dos Trabalhadores sem Terra), da CMP (Central de Movimentos Populares), da Marcha Mundial das Mulheres e de outras entidades da Coordenação dos Movimentos Sociais, que apoiaram a ideia e se incorporaram imediatamente ao processo mobilização e organização da ação, para elaborar uma pauta unificada.


Vamos lutar em defesa da alimentação, da educação e de questões trabalhistas e sindicais.

As reivindicações nacionais  são:

Alimentação

Defesa da reforma agrária, fim da concentração de terras, PEC do Trabalho Escravo; ecomida mais barata na mesa de todos os brasileiros. Luta contra os agrotóxicos e contra o modelo agrário atual, pela ampliação dos recursos para a agricultura familiar, que é responsável por 70% dos alimentos que chegam às mesas dos brasileiros. Para nós, o agronegócio tem um financiamento desproporcional à quantidade de alimentos que produz e precisamos reverter este quadro.

Educação

Defesa da ampliação da educação no campo, o Plano Nacional de Educação; destinação de 10% do PIB brasileiro para a educação, e qualificação profissional permanente para nossos docentes.

Trabalho e sindicalismo
Luta pela redução da jornada para 40 horas semanais sem redução de salário; por liberdade e autonomia sindical, pelo fim do Imposto Sindical e pela implantação da Contribuição Negocial, aprovada em assembléia soberana dos trabalhadores; pelo combate às práticas antissindicais e pelo fim do Fator Previdenciário. Combate também à precarização e à terceirização.


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO