Após mobilização, servidores municipais de Ibiapina são recebidos pela Prefeitura


Escrito por: Camila Carvalho (Ass. de Comunicação da CUT-CE)


Servidores públicos municipais de Ibiapina, representantes da Central Única dos Trabalhadores do Ceará e de movimentos sociais e populares, além da população do município, ocuparam as ruas de Ibiapina, na serra da Ibiapaba. Em caminhada, saíram do Calçadão da Liberdade e percorreram as principais vias da cidade, passando pelo Hospital Municipal Maria Vanderlene Negreiro de Queiroz, alvo de críticas pela classe trabalhadora, em seguida pela Câmara Municipal e por fim, pela Prefeitura de Ibiapina, onde foram recebidos para negociação.


Secretário de Comunicação da CUT-CE, Ataíde de Oliveira, representou a Central na mobilização. Segundo ele, a CUT apoia a luta dos servidores públicos municipais de Ibiapina.“Para oferecer saúde de qualidade para a população, o poder público precisa valorizar os trabalhadores municipais ligados ao serviço. Temos que nos unir e exigir os direitos da classe trabalhadora”, defende.


De acordo com o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Ibiapina (SINDSEMIB), entidade filiada à CUT-CE, Airton da Silva, a mobilização foi positiva. “Conseguimos reunir mais de 500 trabalhadores. Paralisamos todo o Programa de Saúde da Família (PSF). Só ficou funcionando 30% para atendimento de emergência, como é exigido pela lei. E toda essa articulação teve resultado, conseguimos negociar com a prefeitura e conquistar benefícios para a classe trabalhadora”, comemora.


Em reunião, ficou definido que será criada uma comissão com representantes do sindicato e da prefeitura para discutir e elaborar uma proposta do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) da categoria, que será enviada para a Câmara Municipal de Ibiapina. A prefeitura se comprometeu em divulgar nesta quinta-feira (1º) a data que essa comissão será oficializada por meio de decreto municipal.


“Foi um grande avanço o acordo sobre a criação da comissão. Isso porque a proposta inicial da prefeitura era de implantar o PCCS somente a partir de 2014 e forma gradual até 2016. Não aceitamos. O PCCS deve ser emergencial”, esclareceu o presidente do SINDSEMIB.


A prefeitura se comprometeu ainda a publicar até 15 de novembro deste ano editais de licitação para construção de duas Unidades Básicas de Saúde (UBS) nos bairros de São João e Pedrinhas, para a reforma, ampliação e compra de equipamentos para o PSF, postos de Saúde e Hospital Municipal. Os dentistas, que estão em greve há quase dois meses, também foram beneficiados com o Dia “D” de paralisação pela saúde. O executivo municipal deve nesta quinta-feira (1º) divulgar proposta para a categoria.


O presidente do SINDSEMIB ressaltou que as conclusões da reunião foram registradas em um documento oficial. “Vamos cobrar a execução de tudo que foi prometido”, defende.


 


Imagem: CUT Ceará


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO