Professores do Ceará refutam PL 3776/08 em audiência pública


O auditório da Assembleia Legislativa esteve lotado ontem (21) por professores e servidores de todas as regiões do Ceará, que ratificaram sua oposição ao projeto de Lei 3776/08, que modifica o artigo 5º da Lei do Piso do Magistério. A audiência foi uma requisição da deputada Raquel Marques, a pedido da Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce), e visou ao debate da valorização do professor da Educação Básica, com espaço para as colocações de representantes dos trabalhadores e das gestões municipais.


Presente à audiência, o deputado federal Artur Bruno informou o trâmite do PL 3776/08, comunicando que a norma foi aprovada em todas as comissões, tanto do Senado quanto da Câmara Federal, e que já iria virar lei, quando mais de 50 deputados assinaram um recurso para que o PL fosse a plenário. “Com o nosso recurso, o PL só poderá ser votado no plenário, onde será mais susceptível à pressão dos sindicatos e dos professores”, explicou o deputado, destacando que a vitória é parcial.“Precisamos estar alerta e continuar mobilizados contra o projeto”.


As críticas dos trabalhadores não se restringiram ao que está previsto na norma. A professora Vilani de Oliveira, presidenta da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam), foi além e criticou também o autor do projeto: o Executivo nacional. “De nada adianta o Executivo aprovar uma norma [Lei do Piso] e mandar ao Congresso esse projeto de lei [3776/08]”, ressaltou a sindicalista, apontando a contradição.

Perdas salariais

Vilani estipulou as perdas salariais dos professores para o próximo ano, caso o PL seja aprovado. Segundo ela, a orientação do Ministério da Educação (MEC), usada pela Lei do Piso, é de que o reajuste salarial seja 19% em janeiro, enquanto que a inflação do mesmo período, indexador previsto pelo PL 3776/08, está sendo estimada em cerca de 4%. “Teremos um prejuízo de quase três mil reais em um ano; logo nós, que somos uma categoria que luta para conseguir viver com o salário que temos hoje em dia”, afirmou.


Os números provocaram reações no público presente, que pedia a valorização da categoria. Ozaneide Paulo, represente da CUT do Ceará, enfatizou que a norma é um retrocesso à luta das organizações sindicais. “A Fetamce e a Confetam têm feito um trabalho minucioso para valorizar os professores do País e vem esse projeto na contramão da luta dos trabalhadores da Educação”, disse.


Outro momento que mexeu com o público foi o relato da história de Helena, sindicalista e professora de Ocara, que está há três anos sem receber sua remuneração. O secretário de Educação de seu município esteve presente à audiência e disse que o não pagamento da servidora foi uma decisão judicial e não administrativa, gerando protestos dos professores, que já conheciam a história de Helena.

Sem recursos

A aprovação do PL foi defendida por Ana Melo, representante da Associação dos Municípios do Ceará (Aprece), justificando que os municípios não teriam recursos suficientes para investir na Educação. “O Fundeb hoje não responde mais como fonte de financiamento para a Educação. Os recursos estão comprometidos apenas para a folha de pagamento e alguns municípios estão ainda com os salários de professores atrasados”, disse.


A falta de recursos foi rebatida pelos trabalhadores. Enedina Soares, presidenta da Fetamce, afirmou que as gestões precisam saber administrar os recursos que recebem. “Alegam que não têm recursos para implantar o piso, quando a dificuldade que existe é de gestão séria dos recursos. É necessário discutir a gestão pública municipal”, observou a presidenta.


A audiência foi televisionada pela TV Assembleia.


Enedina orientou ainda os sindicatos dos servidores e professores de todo o Ceará a criarem o abaixo-assinado on-line de seus municípios contra o PL 3776/08. A petição estadual pode ser assinada no site da Fetamce. Além disso, ela convidou a todos para o lançamento da Campanha Salarial Estadual, próximo dia 10, na mesma Casa legislativa.


Participaram da audiência ainda representantes da União Nacional dos Dirigentes de Educação (Undime), vereadores de alguns municípios e sindicatos de professores e servidores municipais das dez regionais da Fetamce.


PL 3776


De autoria do Executivo nacional, o projeto de Lei 3776 vem causando polêmica entre os professores da Educação Básica de todo o País, os quais terão os salários afetados com sua aprovação. A proposta é de que o Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC), ou seja, a inflação, passe a ser o indexador do reajuste salarial dos profissionais do Magistério público em janeiro de cada ano, ao invés do valor-aluno, o qual está previsto na Lei do Piso.


O valor-aluno, por sua vez, é calculado de acordo com a porcentagem do número de matrículas realizadas na rede pública de ensino, comparando os últimos dois anos. O valor-aluno orientado para 2013 foi de 16,85%, variação das matrículas de 2011 e 2012. A inflação do mesmo período, entranto, foi de 6,20%, o que mostra como as porcentagens de reajustes caem de forma significativa com a mudança de indexador.

 


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO