Lutas, resistência e emoção embalam abertura oficial do IX Congresso

O Ato em Defesa da Democracia, dos Direitos e dos Serviços Públicos marcou a abertura solene do IX Congresso da Fetamce, realizada na sexta-feira (7), na Universidade do Parlamento Cearense (Unipace). O momento contou com a participação de representantes do movimento social e sindical, além de políticos da esfera estadual e nacional. A noite foi embalada por músicas que destacaram, nas letras, a resistência e a luta dos trabalhadores brasileiros.
Após as boas-vindas a todos os congressistas e as palavras de agradecimento aos parceiros do movimento social e sindical presentes ao ato de abertura, a presidenta da Fetamce, Enedina Soares, destacou que, no último mandato, a Federação fez o processo de resistência e luta contra o golpe, ocupando as ruas para defender a democracia e os direitos dos trabalhadores. “Estamos na luta contra a reforma da Previdência, a reforma trabalhista, a Emenda Constitucional 45, que congelou os gastos públicos por 20 anos, e a terceirização sem limites. Todos esses são projetos desastrosos e que atingem diretamente os servidores municipais”, reforçou.
As falas seguintes destacaram que o evento mais importante da entidade máxima dos servidores municipais do Ceará transcorre em meio a uma das mais agudas crises econômicas, sociais e político-institucionais de história brasileira. Diante disso, a palavra de ordem da classe trabalhadora é “resistir e lutar”. Os discursos destacaram, ainda, o papel da Fetamce como protagonista na luta sindical e social do Ceará, referência para os movimentos populares de todo o país. Uma gigante local, a Federação conta com 153 sindicatos filiados, que representam 160 municípios. Este universo está refletido nos 352 delegados e 50 observadores e convidados da atividade.
O senador José Pimentel (PT/CE) alertou para o avanço do projeto golpista, que absolveu Aécio Neves de acusações com provas cabais e agora segue para a condução de Rodrigo Maia ao Palácio do Planalto, com o objetivo de concluir as reformas antidemocráticas de Temer. Nesse cenário, Pimentel apontou a importância dos servidores municipais na defesa da democracia. “Este Congresso faz parte de uma articulação nacional para resistir e devolver a democracia à população brasileira. Parabéns, temos uma grande luta pela frente”, disse o petista.
O deputado estadual no Ceará pelo PSOL, Renato Roseno, incorporou o tema do Congresso, conclamando todos a pensar em novas formas de organização e a reconstruir as lutas. O parlamentar afirmou que a juventude brasileira não se vê mais representada na política atual. “Não é o presente como está e nem o passado como era, é necessário estabelecer uma nova forma de representação social, sem acordos e sem soluções populistas. A nossa vocação não é ser minoria, é ser uma maioria que inaugure uma nova etapa na história do mundo”,afirmou.
Denise Mota Dau, da Internacional dos Serviços Públicos (ISP), destacou que o movimento sindical brasileiro vive uma luta não só por direitos, mas pela democracia. E nessa luta, os servidores municipais desempenham um papel importante. “Os temas que a ISP pauta sempre são trabalhados, refletidos, reinventados por vocês e isso ajuda a ISP a alimentar as lutas políticas. É um setor pelo qual a ISP tem muito apreço”, frisou.
Memória e homenagens
Com o tema, Reconstruir nas Lutas os Direitos e a Democracia, o Congresso, que prossegue até domingo (9), pretende impulsionar o fortalecimento da classe trabalhadora, construindo alternativas para este momento da vida nacional, onde há uma grande ofensiva do Capital contra o trabalho. Realizado no ano em que lembramos o primeiro centenário da Revolução Russa de 1917, o evento está sendo marcado pela defesa de um sentimento revolucionário.
O Congresso também abriu espaço para uma sessão de homenagens a companheiros falecidos do movimento sindical dos servidores públicos das cidades. São eles: Maria das Graças da Silva (Ciete), que era presidente do Sindicato de Servidores de Guaiuba; Raimundo Nonato Gonçalves de Sousa, que foi presidente do Sindicato dos Servidores de Catunda; e João Paulo Dias, que era funcionário do Sindicato dos Servidores do Crato e também colaborador de outras entidades da região e da Coordenação Regional da Federação no Cariri.
Familiares e representantes das entidades sindicais que os mesmos atuavam receberam as homenagens. As perdas fizeram o movimento sindical brasileiro entrar em luto. A despedida de todos foi repleta de homenagens e o histórico de luta dos companheiros será levado como bandeiras pelo ramo dos servidores municipais do Ceará.

DEIXE UM COMENTÁRIO