CUT abre calendário de mobilizações com ato contra privatização dos aeroportos na segunda

Reunida nesta terça e quarta-feiras em São Paulo, a executiva nacional da CUT aprovou um extenso calendário de mobilizações, demarcando campo em defesa de um projeto de desenvolvimento nacional com distribuição de renda e valorização do trabalho, onde o Estado tem papel protagônico.


As manifestações de rua iniciam já na próxima segunda-feira (6) com concentração a partir das 10 horas em frente à Bolsa de Valores de São Paulo contra a privatização dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília – que movimentam juntos 30% dos passageiros, 57% das cargas e 19% das aeronaves do sistema brasileiro. “Vamos reagir a um ataque inaceitável ao patrimônio público”, afirmou o secretário geral da CUT, Quintino Severo. Além de obrigar a participação estrangeira nos consórcios que disputarão os aeroportos mais rentáveis do país, o BNDES vai financiar o grupo vencedor em até 90% dos investimentos.


“Vivemos um momento de crise nos países capitalistas centrais, o que torna necessária uma ação mais ativa do Estado no fortalecimento do mercado interno. Privatização e desnacionalização não contribuem em nada para o desenvolvimento nacional soberano, pelo contrário”, reagiu Quintino.


O secretário geral cutista defende a necessidade de fortalecimento do poder de compra, com uma política de valorização dos salários. “Defendemos que a melhor maneira de combater os impactos negativos da crise é afirmar um projeto de valorização salarial, de geração de empregos e de garantia de direitos, com serviços públicos de qualidade à altura das necessidades da população. O contrário disso é sucumbir à pauta dos derrotados, da direita, que quer privatizar, precarizar as relações de trabalho e adotar a política do ajuste fiscal, diminuindo os investimentos em políticas públicas com cortes no Orçamento e arrocho salarial dos servidores”, reagiu.


Quintino também alertou para o enfrentamento com a política tucana, que busca instrumentalizar entidades para dar sustentação ao seu projeto de atraso. “O que temos visto em Minas Gerais, onde o governo Aécio vem tentando fragilizar entidades e cooptá-las para seu projeto de desmonte do Estado é bastante simbólico. Da mesma forma, em São Paulo, temos visto a militarização do Estado pelo tucanato, que não negocia e abusa da truculência contra a população, como no recente caso do Pinheirinho, em São José dos Campos, no interior paulista”, alertou.


Outro ponto destacado como “essencial” pelo dirigente cutista é a mobilização por liberdade e autonomia sindical, com uma ampla campanha a partir do mês de março, que incluirá entre outras iniciativas, um plebiscito nacional. “Queremos o fortalecimento das nossas entidades e do seu poder de negociação e mobilização, com o fim do imposto sindical e sua substituição pela contribuição negocial, aprovada democraticamente pelos trabalhadores em assembleia”, frisou.

Fonte: CUT

Assessoria de Comunicação – FETAMCE
Siga-nos no Twitter > @FETAMCE


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO