Com foco nos direitos, Servidores Municipais lançam Campanha Salarial 2015


“Eu Quero Mais Direitos” é a palavra de ordem da campanha salarial 2015 dos servidores municipais. Lançada durante a V Marcha Estadual do Trabalho Decente, realida no dia 11 de dezembro, a mobilização chama a atenção para 12 pautas nacionais, que receberão nos municípios o acréscimo de demandas locais, a fim de serem apresentadas e negociadas junto as Prefeituras de todo o Ceará. Na foto, os trabalhadores municipais que participaram na IV Jornada do Trabalho Decente, empunhado a marca da campanha.


Excepcionalmente lançada em evento de rua, a campanha este ano cumpre o propósito de aproximar ainda mais as demandas dos trabalhadores públicos da sociedade, além de casar sua temática com os objetivos da Marcha, que teve como slogan: “Não vão calar a nossa voz – Pelo Direito Humano à Liberdade Sindical e Trabalho Digno”.


Conheça a pauta da campanha salarial:


A campanha inclui propostas diretamente relacionados às demandas da categoria, mas também imperativos de toda a sociedade, como a Reforma Política e democratização dos meios de comunicação.


A Fetamce chama ainda a atenção para a necessidade do rompimento com os valores que caracterizam as gestões das cidades, sempre associadas a muito amadorismo, clientelismo, cooptação e corrupção. Propostas:


  • criação de mecanismos de justiça fiscal;

  • participação dos trabalhadores públicos na discussão orçamentária local;

  • reajuste salarial com ganho real para todos; fim da terceirização para atividades fins;

  • instituição de pisos salariais – sobretudo o cumprimento dos pisos regulamentados de professores, agentes de saúde e agentes de endemias;

  • planos de cargos e carreiras;

  • regulamentação da negociação coletiva – com a ratificação da Convenção 151 da Organização Internacional do Trabalho (OIT) nas cidades;

  • concurso público;

  • fim do fator previdenciário;

  • igualdade de oportunidades para mulheres, negros/as, jovens e LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais).


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO