Unidade é a palavra de ordem da Campanha Salarial Nacional dos Servidores Municipais

A Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal (Confetam/CUT) lançou na tarde desta segunda-feira (11), em São Paulo, a Campanha Salarial Nacional Unificada 2019 dos Servidores Públicos Municipais. O slogan da iniciativa neste ano é: “Todos Juntos – Em defesa dos direitos trabalhistas e do serviço público de qualidade para o povo brasileiro”.

A pauta principal da mobilização nacional do ramo reúne as defesas do concurso público e da estabilidade do servidor; do direito à livre negociação no serviço público; do Sistema Único de Saúde (SUS) e do Sistema Único de Assistência Social (SUAS); da educação pública de qualidade, laica e emancipadora; e da revogação da Emenda Constitucional 95, que congela investimentos públicos por 20 anos. Além disso, a campanha destaca as lutas por um reajuste salarial com ganho real; pela manutenção da previdência pública e solidária, pela democracia, pelos direitos e por justiça fiscal.

Discursos do Lançamento

A unidade da categoria foi defendida como a principal estratégia para derrotar a retirada de direitos, tanto a nível municipal como nacional. A maioria dos municípios do Brasil tem a receita orçamentária dependente das transferências da união e com o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro, que aprofunda o desmonte dos direitos iniciados no governo Temer, as dificuldades enfrentadas pelos servidores públicos tendem a aumentar. As primeiras negociações entre os servidores e os prefeitos já mostram isso, segundo os participantes.

Conforme a presidente da Confetam, Vilani Oliveira, “o momento é desafiador. O encontro tem a finalidade de demonstrar os desafios postos”. A dirigente avaliou que o êxito da campanha depende do alinhamento da CUT, da Confederação, das Federações e dos Sindicatos com a população.

Vilani lembrou ainda que a Emenda Constitucional 95, a reforma Trabalhista e a terceirização irrestrita também impactaram diretamente na vida cotidiana do município e que com uma possível reforma da Previdência, como vem anunciando a equipe deste governo, a tendência é um aumento exponencial da pobreza, assim como da demanda por serviços públicos.

“É fundamental estarmos todos juntos em defesa dos direitos trabalhistas e do serviço publico de qualidade para o povo brasileiro neste momento onde há um desmonte nas políticas públicas e é neste momento que reafirmamos a necessidade de ter um Estado que dê conta destas demandas de um serviço público que efetivamente funcione e de qualidade”, reafirmou a presidente da Confetam.

A secretária Nacional de Relações do Trabalho da CUT Brasil, Graça Costa, destacou que a campanha tem expressão nacional, ou seja, “desce para as bases”, alcançando os trabalhadores das cidades “em cada cantinho deste país”.

“Temos um potencial muito grande e podemos fazer um movimento da base até a presidência da República, começando com comissões populares e ampliando o nosso trabalho sindical para que envolva outras entidades, como associações de bairros e outros movimentos sociais”, destacou Graça Costa.

Também presente na abertura, que reuniu representantes de 15 estados brasileiros, a presidente da Federação dos Trabalhadores no Serviço Público Municipal do Estado do Ceará (Fetamce), Enedina Soares, destacou o papel das federações estaduais neste compromisso de construir a resistência da classe trabalhadora em todo o país.

“O avanço da extrema direita, a destruição dos direitos sociais e sindicais, a redução das políticas públicas simbolizam que temos um grande trabalho a ser feito, que é de produção de consciência e de combate à desinformação que marca essa conjuntura. As pessoas se sentem amedrontadas, acuadas e com medo a gente pode fazer as piores escolhas. Então, isso mostra que precisamos reconstruir o diálogo, lotar nossos sindicatos, preparar nossos dirigentes sindicais e reconstruir o nosso país”, discursou Enedina Soares.

Para tanto, conforme a presidente da Federação cearense, que esteve no evento acompanhada do secretário de saúde do trabalhador da Fetamce e também diretor da Confetam, Oldack Sucupira, é preciso construir a unidade não só entre dentro do ramo, como também com o conjunto do movimento sindical cutista e as demais forças sindicais organizadas em outras centrais e agrupamentos políticos. “Todos no sentido plural da palavra. Com todo o mundo sindical e com todos os lutadores populares deste país, do campo e da cidade, da indústria e do setor de serviços. Trabalhadores e trabalhadores juntos e juntas”, reforçou a líder da Fetamce.

Bancada cearense

A bancada do Ceará na atividade nacional do ramo contou com a participação de pelo menos cinco representantes. Além de Enedina e Oldack, a presidente da entidade nacional, Vilani Oliveira, a dirigente da CUT, Graça Costa, e a secretária da mulher trabalhadora da Confetam, Ozaneide de Paula, são servidores municipais cearenses.

Com informações e fotos da Confetam/CUT

DEIXE UM COMENTÁRIO