Servidores suspendem a greve em Itapipoca, mas seguem mobilizados


O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Itapipoca (Sindsep) realizou assembleia na manhã de ontem (29/7) que debateu sobre a continuidade do movimento de greve dos servidores da cidade, que foi iniciado no dia 17 de julho. O grupo avaliou a proposta da Prefeitura, apresentada no dia anterior. Embora os trabalhadores não tenham acordo completo sobre a pauta do Executivo, a categoria aprovou a suspensão da greve, mantendo-se a mobilização.


Na oportunidade, a presidenta do Sindsep, Quitéria Freire, fez a leitura das propostas da Prefeitura, que ofereceu o pagamento de dois meses de retroativo para os professores, sendo parcelado em quatro vezes para profissionais com 100 horas e em cinco parcelas para quem tem 200 horas; ratificou que universalizará a política do um terço; pagará a partir de agosto para todos os professores das escolas de tempo integral a gratificação no valor R$ 200, com o compromisso de regulamentar a medida, a fim de tornar a questão uma política pública; que até o final do mês de outubro concluirá o diagnóstico e projeto de reordenação da rede municipal de ensino para a implementação, a partir de janeiro de 2015, de redução de despesas na folha de pagamento; e assume o compromisso de iniciar, a partir de janeiro de 2015, as discussões sobre reajustes para todos os servidores, sempre retroativo ao primeiro mês do ano.


Permanece em aberto, dentro das demandas do movimento, o reajuste adicional de 4,9% para os professores; um mês de retroativo salarial do magistério; reajuste dos demais servidores que ganham próximo ao salário mínimo para R$ 750,00; e universalização da gratificação dos profissionais da saúde.


Como encaminhamento, a assembleia deliberou pela cobrança por via judicial destas demandas e permanecer em estado de mobilização, fiscalizando o cumprimento de cada um dos pontos acima acordados. Segundo a assessoria jurídica do Sindicato, já foram protocoladas representações na Câmara Municipal, no Tribunal de Justiça e no Ministérios Público Estadual, com vistas a construir, com o apoio destes espaços, outros mecanismos de cobrança.


Ajuizamento da greve


Os servidores discutiram também a tentativa da Prefeitura de tornar a greve ilegal. O Executivo conquistou na Justiça comum liminar que obriga a categoria a voltar ao trabalho. Os presentes classificaram a medida como intimidatória e, segundo o Dr Pedro Cavalcanti, advogado do Sindsep, a decisão judicial foi equivocada, sobretudo porque não é de competência da Vara da Comarca de Itapipoca e sim do Tribunal de Justiça classificar greves como legais ou não, conforme decisão do Supremo Tribunal Federal. “Em qualquer circunstância, com ou sem greve, vamos derrubar essa decisão”, disse o advogado.


Mobilização permanece


Em debate caloroso, os servidores ponderaram sobre o a continuidade das ações e, em votação, aprovaram a suspensão da greve, com a possibilidade de voltar a parar, caso os compromissos acordados não sejam cumpridos. “Suspendemos a greve e saímos vitoriosos do acampamento, que só nos fortaleceu enquanto categoria. Em um cenário aonde não se via nada positivo, conquistas alguns elementos importantes da nossa pauta. A mobilização continua, mesmo que na justiça, para cobrarmos não só o cumprimento do que foi acordado, como também o que não foi atendido”, declarou Quitéria Freire.


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO