Servidores de Quixadá voltam às ruas após 70 dias sem salários


A cada dia aumenta a pressão dos servidores públicos de Quixadá no Centro Administrativo da Prefeitura. Conforme a presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Quixadá (Sindsep), Neiva Esteves, muitos estão sem receber os salários há mais de dois meses. Desesperados, estão recorrendo ao Sindsep para intervir em medidas de auxílio junto a Prefeitura.


Todavia, o quadro da atual administração é de incertezas. Além de estarem realizando os pagamentos através de sorteios, há receio de que o Município não pague nem o 13º, quanto mais o adiantamento de parte da parcela extra.


Servidor do Município há cerca de 10 anos, o auxiliar de serviços gerais Carlos Clayon Silva está há 70 dias sem receber seus salários. Dois meses já acumularam. A esposa e a filha só não estão passando por mais dificuldades porque nas horas vagas ele trabalha como guia turístico.


Ele receia acumulo de mais meses em atraso ao ponto da Prefeitura não conseguir mais pagar os salários. Quanto ao 13º, ele avalia que deverá ser pago, até porque nesses, se não efetuar os pagamentos o prefeito poderá ser enquadrado por improbidade administrativa.


Na opinião do auxiliar de serviços, lotado na Fundação Cultural de Quixadá, o prefeito João Hudson Bezerra só vai conseguir resolver o problema financeiro, que se agrava a cada dia, quando dispensar os prestadores de serviço em excesso na folha, como também quem tem cargos comissionados. “Eles podem também reduzir os seus salários e dos secretários, como fez o prefeito anterior”, completou.


Incidente na Câmara


Na manhã desta quinta-­feira, 10, um grupo de servidores municipais, acompanhados da presidente do Sindsep, usando coletes pretos com a inscrição “Dia de Luta ! Dia de Luto!”,seguiram até o Centro Administrativo da Prefeitura de Quixadá para cobrarem o pagamento dos salários atrasados.


Como o prefeito ainda não se encontrava seguiram até a Câmara Municipal. Os ânimos de acirraram na Câmara de Vereadores e a Polícia Militar foi acionada, em uma tentativa de partidários do prefeito de impedir o movimento.


Em apoio a eles, vereadores oposicionistas vestiram os coletes e acompanharam os manifestantes no retorno ao Centro Administrativo. Dessa vez os servidores foram recebidos pelo prefeito João Hudson Bezerra.


O secretário de Finanças do Município foi convocado para explicar a situação econômica da Prefeitura. Houve repasse recente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), mas o INSS resgatou tudo, por conta de dívidas anteriores. Em razão disso, a alternativa apresentada foi a realização de um empréstimo bancário para pagar os salários atrasados. Os vereadores precisam aprovar a solicitação.


Com informações do Diário do Nordeste


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO