FETAMCE recebe visita de organização internacional

A Federação dos Servidores Municipais do Estado do Ceará (FETAMCE) recebeu, na manhã desta segunda (31/11), a visita de Nora Wintour e Emily Costa, da organização Streetnet Internacional. A entidade realiza o debate a respeito do desenvolvimento e das necessidades dos mais marginalizados na realização da Copa do Mundo de Futebol de 2014.


O grupo foi recepcionado pela Presidenta da FETAMCE, Enedina Soares, a Secretária de Comunicação, Eliane da Silva, e a suplente da executiva, Netinha Faustino. O objetivo do encontro foi apresentar à diretoria da Federação as propostas de enfrentamento ao processo de exclusão laboral condicionada pelo acontecimento do campeonato mundial de futebol em Fortaleza, uma das cidades sede da Copa das Confederações e do mundial. A Streetnet atuou na África do Sul, onde está sua sede, combatendo, através de campanha junto aos grupos produtivos informais sul-africanos, o processo que levou à proibição total da atuação dos trabalhadores ambulantes durante a Copa, em 2010, liderado pelo governo da África do Sul e a Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA).


A suíça Nora Wintour, coordenadora de campanhas da Streetnet, avalia que no Brasil possa haver o mesmo que na África do Sul, e, pela condição peculiar de desenvolvimento por que passa o Brasil, mais próximo do país africano do que dos demais países que receberam recentemente o mundial (Alemanha e França), estaríamos próximos de desenvolver mecanismos de perseguição e distanciamento dos trabalhadores informais, dada a influência das corporações que investem na Copa. Segundo ela “Em Fortaleza, será uma guerra, devido à quantidade de trabalhadores informais na cidade”, avalia.


A organização fechou parceria com a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e visita as Federações e Sindicatos filiados divulgando a demanda de direitos desse grupo, a partir da discussão da relação com os trabalhadores formais, na perspectiva de discutir a melhoria das condições desses homens e mulheres, rumo à legalidade. Nora entende que “os servidores municipais podem ajudar nesse processo de debate por condições de participação na economia junto aos municípios”, completa.


Segundo a consultora da Streetnet Internacional, a brasileira Emily Costa, que realiza pesquisa para levantar a condição dos trabalhadores informais no Norte e Nordeste, o número estimado de ambulantes no Ceará é de 50 mil. Em Fortaleza, só na Feira da Igreja da Sé (um dos lugares de maior aglutinação de comerciantes populares) são 15 mil trabalhadores. Até o dia 15 de novembro, a organização divulgará o primeiro relatório desta pesquisa, que chama atenção também para as “dificuldades colocadas pelas interferências políticas, as dificuldades de organização das associações de ambulantes e a incapacidade do poder público de dialogar com o grupo”, segundo Emily.


A instituição construirá uma agenda de formação com o movimento sindical e as organizações dos trabalhadores informais, tendo em vista incentivar a reivindicação e acompanhamento do processo de montagem da Copa, atuando na defesa dos direitos desses trabalhadores.  Enedina Soares reforçou a necessidade de diálogo e assumiu o compromisso de atuar junto aos servidores municipais do Ceará na diminuição dos conflitos entre estes profissionais, na execução das tarefas colocadas pelos municípios e na defesa da organização dos trabalhadores informais. Segundo a presidenta da FETAMCE, “é dever da Federação ajudar nos processos constituídos e debates relacionados à Copa, evitando a opressão exercida sobre os trabalhadores”, afirma.

Assessoria de Comunicação – FETAMCE

Siga-nos no Twitter > @FETAMCE


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO