Volta às aulas na pandemia é tão perigoso quanto fogo e tiroteio em escolas, sugere infectologista

"A pressão econômica e o ano letivo não podem estar acima das vidas", diz o especialista.

Para tentar mostrar o perigo que é voltar às aulas presenciais em plena pandemia de coronavírus, o Dr. Alexandre Motta — médico infectologista — comparou a situação a uma escola pegando fogo ou com um tiroteio. “Quem teria coragem de mandar um filho para lá?”, questiona.

O que disse o Dr. Alexandre Motta:

“A pressão econômica e o ano letivo não podem estar acima das vidas. O mercado quer a volta das aulas porque visam à economia, pensando que a pessoa pode voltar a trabalhar e colocar a responsabilidade da segurança e da saúde de seus filhos na escola, o que não é verdade. Você mandaria seu filho para escola sabendo que lá pode ter um tiroteio ou pode pegar fogo a qualquer momento?”

Segundo o especialista, “é preciso fazer esta analogia porque os riscos de contaminação estão colocados, principalmente no Brasil, um país que vive desgovernado, sem políticas nacionais de enfrentamento a pandemia e onde os dados mostram que a Covid-19 está bem distante de ser controlado.”

Situação difícil

“É difícil essa situação que estamos vivendo porque o vírus é algo que você não vê e acredita que ele não está em alguns lugares, mas está! Nós temos um nó e não temos um norte. Não temos quem guie este navio para um porto seguro, não temos ministro da Saúde, não temos presidente e não temos política. Por isso nossos números de caos e mortes pela doença são tão altos”, afirma também o especialista.

Com informações de: CUT Nacional.

DEIXE UM COMENTÁRIO