Presidente da CUT e ministro do TST defendem a liberdade de organização do movimento sindical


 


A democracia brasileira não estaria no patamar atual sem a existência do movimento sindical brasileiro, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas,  nesta sexta-feira (12), em Fortaleza, durante sua palestra no Congresso Internacional de Direito Sindical, que debateu o tema “Sindicalismo, trabalho e crise econômica”.


 


A luta pela redemocratização do Brasil, pela valorização do salário mínimo, pela democratização nos ambientes de trabalho e o desprezo dos meios de comunicação por temas relacionados ao mundo do trabalho, foram citados pelo dirigente CUTista e por outros participantes do evento que reuniu juízes e procuradores do trabalho, parlamentares e sindicalistas de todo o país com o objetivo de fazer uma espécie de reflexão sobre a importância da atuação do movimento sindical na consolidação da democracia e melhoria de condições de trabalho e renda.


 


“O movimento sindical é essencial para organização efetiva da classe trabalhadora, tanto para garantir os direitos dos trabalhadores e das trabalhadoras como para a construção de uma sociedade mais democrática, justa e igualitária”, ressaltou o presidente da CUT.


 


Segundo Vagner, é fundamental a participação dos movimentos sociais e sindicais, na elaboração de políticas públicas, medidas econômicas e tudo que afete a vida do cidadão para que o Brasil se efetive como potência mundial que cresce com distribuição de renda, geração de emprego e melhoria das condições de trabalho. “É preciso que o movimento sindical brasileiro tenha protagonismo na transformação da nossa sociedade para que os/as trabalhadores/as tenham os seus direitos efetivados”.   


 


O advogado trabalhista e ex-presidente da Ordem dos Advogados (OAB), Cézar Britto, criticou a ausência dos meios de comunicação e a falta de espaço na mídia da cobertura de eventos que discutem questões como a que o Congresso Internacional de Direito Sindical está abordando. Segundo ele, ainda há preconceito ao se falar de trabalho. “A justiça de trabalho, por exemplo, é considerada uma justiça menor quando comparada às demais”, lamentou o advogado que encerrou defendendo o fortalecimento do direito sindical e a garantia da liberdade sindical.


 


Para Vagner, os sindicalistas têm de trabalhar com seriedade, eficiência e espírito combativo. Ou seja, cumprir seu papel. Esta é a única maneira de impedir que o movimento sindical tenha sua importância diminuída ou até mesmo negada.  “Temos de ter sindicatos representativos, nível de associação alto, fazer prestação de contas regulares, ter previsão orçamentária, eleições democráticas e muita ação sindical em defesa dos direitos dos/as trabalhadores/as.”


 


O presidente da CUT lembrou que foi o movimento sindical que foi às ruas, fez marchas, reivindicou e conquistou a valorização do salário mínimo que beneficia milhares de trabalhadores e aposentados, ou seja, beneficia sociedade brasileira. “Não teríamos uma política de reajuste do salário mínimo garantida até 2023 se não fosse a luta das centrais sindicais brasileiras. ”


 


Ao falar sobre a visão da magistratura em relação a atual estrutura sindical brasileira, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho, Lélio Bentes, defendeu duas propostas da CUT: o fim do imposto sindical e a liberdade de organização dos sindicatos.


 


O ministro disse que “é contra a cobrança do imposto sindical compulsório”, descontado de todos os trabalhadores com carteira assinada uma vez por anos. Para ele, “impor uma taxa compulsória a trabalhadores não associados atenta contra o princípio da liberdade sindical”.


 


Em sua palestra, Lélio Bentes reconheceu a necessidade dos magistrados ouvirem mais o movimento sindical e o empresariado e defendeu a necessidade dos próprios representantes dos trabalhadores definirem como querem se organizar sem a interferência do Estado.


 


Neste ponto, a sintonia entre a fala do ministro e a do presidente da CUT foi total. Vagner se posicionou contra a judicialização do movimento sindical. Segundo ele, o poder judiciário é importantíssimo para o Brasil, mas, a integração entre os três poderes é mais importante e cada um deve cumprir o seu papel. O poder judiciário tem que garantir a regra do jogo, não deixar que as regras sejam descumpridas e, não, interferir nas negociações.


 


“É um absurdo ainda existir interdito proibitório, antes mesmo dos trabalhadores deflagrarem greve. Temos que ter o direito à negociação e  à representação. Para tanto, não pode existir um instrumento que impede a atuação da organização sindical e dos sindicatos, além de afrontar a lei de greve. Sabemos que a greve é um direito dos trabalhadores. Ela deve ser realizada caso o empresariado queira ou não”.


 


Fonte: CUT-CE


 


Assessoria de Comunicação – FETAMCE


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO