"O PL de Regulamentação da Terceirização é uma espécie de reforma trabalhista escandalosa", diz Graça Costa à TV Brasil


 


Em entrevista realizada ontem (03 de abril), na TV Brasil, em âmbito nacional, Graça Costa (Secretária de Relações do Trabalho da CUT Nacional e Presidente da Confetam) disse que a Central Única dos Trabalhadores é contra a Terceirização, todavia, sendo esta uma realidade brasileira, é preciso então que haja uma regulamentação desse tipo de serviço e que sejam adotados critérios dignos privilegiando-se nisso a integridade do(a) trabalhador(a).


 


“Precisamos garantir a igualdade de direitos entre os ‘terceirizados’ e os ‘trabalhadores’ que são realmente da empresa. Há que se definir e proteger a atividade fim das empresas.”, afimou.


 





MARIA DAS GRAÇAS COSTA

 


É importante dizer que a CUT vem mobilizando suas bases para pressionar o Congresso Nacional com o intuito de barrar o PL 4330, conforme informou a Secretária de Relações do Trabalho, Graça Costa:“O projeto representa uma verdadeira reforma trabalhista e não admitiremos qualquer retrocesso em relação aos direitos já conquistados pela classe trabalhadora.”


 


Nesse momento, o PL 4330 que está na Comissão de Constituição e Justiça do Congresso Nacional libera a Terceirização para todos os setores e isso é muito grave.


 


“O PL 4330 não traz proteção nenhuma para o trabalhador. A possibilidade da Terceirização se torna mais grave ainda quando falamos de Serviço Público. O Projeto de Lei que tenta regulamentar a Terceirização é uma espécie de reforma trabalhista escandalosa se for aprovado do jeito que está”, afirma.


 


A Dirigente CUTista falou ainda que a Terceirização traz vários problemas para as relações de trabalho:”índices de 27% de salários menores em relação aqueles trabalhadores com emprego direito; maior incidência de mortes e acidentes de trabalho e insegurança na saúde do trabalhador. Isso é precarização pura”, finalizou a Secretária de Relações do Trabalho da CUT Graça Costa.


 


Fonte: Sindsep Quixadá


 


Assessoria de Comunicação


 


Fonte: Fetamce

DEIXE UM COMENTÁRIO