Contra “massacre” do prefeito, professores de Maracanaú realizam ato virtual na sexta (19)

O Sindicato Unificado dos Profissionais em Educação no Município de Maracanaú (Suprema) realiza nesta sexta-feira (19 de junho) ato virtual. O objetivo da mobilização é defender a Educação pública, gratuita e de qualidade, com valorização dos professores e com respeito aos alunos.

O protesto denuncia a política opressora do prefeito Firmo Camurça e dos vereadores, que seguem retirando direitos históricos da categoria, “provando que Maracanaú não tem uma casa legislativa, mas uma extensão da prefeitura. Tudo o que o prefeito envia à Câmara, é aprovado pelos vereadores”, afirma o sindicato.

O estopim para a crise entre profissionais e Excetivo foi quando a prefeitura retirou o auxílio-alimentação dos professores e suspendeu a contribuição patronal para o Instituto Municipal de Previdência, órgão responsável pela aposentadoria dos servidores de carreira da cidade.

Para o Suprema, o prefeito de Maracanaú segue a cartilha de Bolsonaro e do Ministro da granada, Paulo Guedes.

“Vale salientar que a suspensão do pagamento ao IPM poderá comprometer, num futuro próximo, a aposentadoria de todos os servidores, além de também afetar, por falta de recursos financeiros, os afastamentos/licenças por saúde”, denuncia a entidade.

Teletrabalho tem custado caro pros professores

A situação dos professores é preocupante e revoltante. Enquanto a Secretaria da Educação exige que as aulas sejam ministradas pela internet, muitos professores tiveram que contratar pacotes de internet, comprar equipamentos como notebook, para se manter trabalhando, ou seja, estão pagando para trabalhar e recebem de bônus mais retirada de direitos, e ainda tendo de ouvir de vereadores que “não estão trabalhando”, para justificar a suspensão do auxílio-alimentação.

Pautas do ato de 19 de junho

  • Pela revogação da Lei que suspende o auxílio-alimentação dos professores;
  • Contra a política opressora de Firmo Camurça e dos vereadores que não tem compromisso com os servidores e nem com o povo desta cidade;
  • Pela revogação da Lei que suspende a contribuição patronal ao IPM, o que afetará a aposentadoria dos servidores de Maracanaú;
  • Defesa da vida – retorno das aulas presenciais apenas sob um protocolo de prevenção à covid-19;
  • Fora vereadores que votam para retirar direito de trabalhadores.

DEIXE UM COMENTÁRIO