Sem reajuste salarial, servidores de Quixadá entram em greve

O servidores de Quixadá iniciaram nesta terça-feira (24/04) greve geral por falta de reajuste salarial. A categoria resolveu parar as atividades até que o prefeito Ilário Marques definir se concede o direito à reposição salarial da categoria.

“A nossa luta ela não perpassa só pela educação, é todas as categorias (…) quando a gente não tem respostas concretas vamos à luta (…) tem a questão do reajuste dos servidores que estão com seus salários congelados (…) tem também a suspensão dos direitos no ano passado, tem os vigias, os fiscais, os motoristas e os pessoal do DMT (…) nós temos adesão do pessoal da saúde, educação, inclusive as escolas estão fechadas”, disse Neiva Esteves, presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Quixadá e Região (Sindep) durante entrevista ao Sistema Monólitos de Comunicação.

Com relação aos professores, o pleito é de 6,81% de aumento, de acordo com Lei Federal. A gestão não apresentou proposta que atendesse aos interesses do grupo laboral. Os funcionários denunciam, inclusive, que houve redução de salário junto aos professores temporários, com corte de quase cinquenta por cento da remuneração.

De acordo com os servidores, o Executivo tenta se justificar alegando que não pode conceder o reajuste por conta da crise e porque a folha de pagamento estaria no limite prudencial de gastos com pessoal.

Ato Público

Nesta quarta-feira (25/04), os servidores em greve realizam ato público, onde percorrem as principais ruas da cidade. Com faixas e cartazes, os profissionais mobilizam a opinião pública e buscam pressionar os gestores públicos para que atendam às reivindicações da classe.

DEIXE UM COMENTÁRIO